Escritos Lendários: Teatro Grego

Papo Lendário #109 — A Lenda de Avatar
07/10/2014
Mitóglifos 006 — O Anel de Nibelungo
16/10/2014

O Melhor do Teatro Grego

Desta vez resolvi indicar um livro cujos personagens e histórias já foram abordados em outros livros que indiquei antes: O Melhor do Teatro Grego, com peças de Ésquilo, Sófocles, Eurípedes e Aristófanes.

Este livro nos apresenta três peças dramáticas que relatam histórias mitológicas: Prometeu Acorrentado, Édipo Rei e Medéia. E a comédia As Nuvens, que tem como um de seus personagens Sócrates, um filósofo que talvez tenha se tornado um mito.

Resolvi indicá-lo por ser uma boa tradução, direto do grego e que apresenta as peças o mais próximo de como elas eram encenadas para os gregos.

Originalmente estas peças faziam parte da festa cívico-religiosa dedicada a Dionísio, o deus do teatro. Tinham, portanto, grande importância na vida da pólis durante este período de celebrações e, provavelmente, depois deste período ainda fossem discutidas e re-encenadas.

As fontes mais conhecidas

Ésquilo, Sófocles, Eurípedes e Aristófanes produziram dezenas de peças durante suas vidas e a grande maioria delas se perdeu, havendo apenas referências de que existiram. O que torna seu conteúdo mais importante ainda.

Boa parte do conhecimento que nós temos da mitologia grega vem das poucas peças que foram integralmente conservadas e, fora do campo acadêmico, talvez seja a única fonte de informação da maioria das pessoas sobre os mitos gregos.

Se o conhecimento que temos destas histórias são as que estas peças nos passam, podemos perguntar: este era o sentido original que este mito tinha? Ou o que conhecemos são apenas uma re-interpretação do mito feito por uma pessoa?

No caso destas peças pode podemos ter outras fontes. Mas a história de Medéia que todos lembram é a de Eurípedes, e o Prometeu é o de Ésquilo.

Então podemos considerar como sendo praticamente única fonte conhecida. Porque estas são as versões que a maioria conhece, divulga e passa adiante em seus trabalhos, discussões. E são as usadas para revisões, re-encenações e para fazer, inclusive, re-interpretações.

Um dos exemplos disso é Medéia. Na peça ela envia presentes enfeitiçados para a princesa de Corinto através de seus filhos pequenos. E depois decide matá-los, pois acha isso melhor do que deixá-los à sorte da cidade. Esta é a versão de Eurípedes e a conhecida pela maioria.

Mas numa nota deste livro há a informação de que outros autores escreveram que as crianças foram mortas, talvez apedrejadas, pela população de Corinto.

Qual é a Medéia que existia no imaginário dos gregos: a que mata a princesa de Corinto ou a que também matou os filhos?

E em As Nuvens vemos uma caricatura de Sócrates, que talvez fosse a idéia que Aristófanes, ou a maioria da população, tivesse dos filósofos. O que desmitifica a visão de que os filósofos fossem reverenciados e respeitados pelos gregos. E pode explicar porque Sócrates foi condenado a tomar cicuta.

Um livro de teatro

Mas este não é um livro de reflexões, apesar de poder nos levar a elas. O Melhor do Teatro Grego é um livro voltado para o público que gosta de teatro, numa edição muito boa e acessível a quem não é área.
Além das peças conta com uma boa introdução, contextualização histórica, biografia dos autores e notas de rodapé. O que ajuda a dar uma noção do ambiente político e cultural da Grécia à época em que estas peças foram produzidas e apresentadas. E ao final de cada peça há uma breve explicação sobre cada um dos personagens. Um mini-glossário que pode ajudar muito em futuras referências.

A edição física é primorosa e vale a pena ser comprada. Mas para quem aderiu ao livro digital, ele está com um preço muito bom para os padrões brasileiros.

Aristófanes, Ésquilo, Eurípedes, Sófocles: O melhor do teatro grego (trad. Mário da Gama Kury). – Rio de Janeiro: Zahar, 2013

  • Ricardo Costac

    Olá Nilda

    Primeiramente gostaria de parabenizá-la pelo seu trabalho no Escritos Lendários. A dica sobre sobre a obra O Teatro Grego me levou a querer ler o livro e ter uma ótima impressão das peças mencionadas.
    Como sugestão indico o Popol Vul da mitologia americana pré-colombiana e O Livro dos Mortos do Antigo Egito.
    Também quero agradecer pelos seus elogios ao tema Sobre o Céu que estou colaborando no Mitografias.
    Um grande abraço

    • Nilda Alcarinquë

      Olá Ricardo

      Obrigada pelo elogio. Este livro praticamente caiu no colo e me apaixonei por ele. Aí não tinha como não indicá-lo.

      E a série Sobre o Céu é muito boa, e acho que até demorei para comentar o quanto gostei dela.

      Abraço