Papo Lendario #75 — Esse Tao de I-Ching

Trailer Papo Lendário #75
31/01/2013
Trailer Papo Lendário #76
12/02/2013

Nesse episódio do Papo Lendario. Leonardo Henrique, Juliano Yamada, e Pablo de Assis conversam sobre o famoso I-Ching, o Livro das Mutações.

Aprenda como jogar o I-Ching, e entenda sua utilidade.

Veja quais os significados dos hexagramas.

Entenda o conceito de mutação do Taoísmo.

Musica Final: Dança dos Hexagramas – Uakti – Trilha do Filme “Ensaio Sobre a Cegueira”

————————————————————————————————————————————————————————–
Padrim do Mitografias

  • Degas

    Parabéns pelo cast, e continuem melhorando!

  • Primeiro!!!
    =P

  • Jonata J.P. Menezes

    http://mob137.photobucket.com/albums/q235/melzpoo/yingyang1.gif?t=1241994103
    Só um comentário de uma coisa que sempre achei interessante no símbolo do yin-yang ☯ que é a ideia de movimento que o símbolo passa. As duas metades normalmente são vistas e entendidas apenas como duas metades que se completam. Mas no próprio desenho, na maneira como as partes estão colocadas tenho a sensação de que o Yin empurra o yang para cima que gira sobre o eixo e empurra o Yin para baixo num ciclo constante. O que encaixa melhor no conceito de mutação comentado no programa. Ótimo Programa, Só senti falta da leitura da interpretação do I-ching pelo Car Jung. Talvez num vídeo de leituras lendárias.

  • Cuidado Pablo, vai que essa moda de “Primeiro” pega aqui no Mitografias! rsrs Mas vc não foi tão rapido no F5 hein! rsrs

  • Hahahahaha! Depois que comentei, aprovei o comentário que já tinham feito… =P

    Pois é, Jonata! A questão do movimento do Yin-Yang vai mais além. Aquele ponto que se encontra em cada um dos lados é compreendido como uma semente do próximo. Então, dentro do Yin, quando ele está em sua plenitude, temos a semente do Yang e vice-versa. Mais do que um empurrando o outro, temos um nascendo do outro! Essa mutação vai mais além do simples movimento, mas vai também a mutação do próprio nascimento, pois sabemos que pais e filhos são sempre diferentes… 😉

    Sobre a interpretação de Jung do I Ching, vou procurar o prefácio que ele escreveu (deve estar disponível online) e disponibilizo depois no post como link…

  • Mateus Salvador

    Parabéns pelo cast, ficou excelente.

  • Priscilla

    Antes de mais nada : Kung Fu !

    Piadinhas à parte … ótimo cast, mas o Yamada pareceu meio sumido durante a gravação – problemas de conexão ?

    Tema muito interessante. Podiam colocar no resumo do episódio o link para os livros mencionados.

    Continuem com o ótimo trabalho.

    []s

  • Pessoal eu sempre imaginei que o I-Ching era um jogo de dominó!!! kkk

    Agora falando serio: Gostei bastante do episódio, bem esclarecedor e muito bem debatido!!! Eu tinha uma pequena idéia sobre o que era o I-Ching, que tinha absorvido do livro A Luneta Âmbar, das fronteiras do universo, onde a personagem (não me lembro o nome) se comunica com o PÓ (energia primordial de todos os universos impressindivel para o sustento da vida) para saber qual o papel dela na estoria!!!

    É um excelente livro, da trilogia As Fronteiras do Universo de Philip Pulman, vale a pena colocar na fila para ser lido!!!

    Episódio empatico com conteúdo!!!

    Sigo escutando, até mais!!!

  • Primeiro de tudo, parabéns pelo conteúdo excelente.
    Desculpe comentar nesse episódio antigo mas descobri agora o podcast de vocês através do Anticast (sou ilustrador das capas de lá).

    Tentando acrescentar um pouco na discussão sobre o que comentaram de Parménides e Heráclito, e que toda ciência deriva originalmente da ideia de que tudo continua constante (ideia de Parménides), e assim podemos parar uma observação de algo e voltar depois para continuar, é engraçado ver que parte da ciência hoje na verdade carrega agora a ideia de Heráclito (consequentemente um pouco da ideia de mutação do Tao de I Ching). Vide a mecânica quântica, onde existe a possibilidade de 2 partículas estarem em 2 lugares ao mesmo tempo, sempre em movimento (ou mutação?), e também se quisermos saber a posição de uma partícula subatômica, perdemos a informação de sua direção, e vice-versa, nunca conseguindo observar as 2 informações ao mesmo tempo. Todos esses conceitos são bem difíceis de serem compreendidos pra um leigo como eu e para o conhecimento científico comum, e talvez quem sabe ainda mais difíceis pelo fato da origem e evolução de nosso pensamento ser de Parménides e não de Heráclito.

    Enfim parabéns pelo trabalho excelente e agora fico feliz de ter mais esse excelente podcast para ouvir.
    Grande abraço!