Horrores Urbanos #14: Demônios e Anjos

Papo Lendário #194 – Lilith
24/06/2019
Horrores Urbanos: Demônios e Anjos #15 – Sete Pecados Capitais
23/07/2019

Vivemos em uma cultura cristã, rodeado de imagens e tradições que nos remontam para uma realidade que vai além do monoteísmo pregado. Vivemos rodeados de entidades sobrenaturais que aprendemos a chamar de Demônios e Anjos mas que pertencem a uma realidade que vai muito além do que inicialmente aprendemos. Neste primeiro episódio da nova série do podcast Horrores Urbanos vamos tentar ter um olhar diferente sobre esses seres e, talvez, possamos aprender um pouco mais sobre quem realmente somos.

Duração: 31 minutos

Caso você tenha algum relato, comentário, feedback ou gostaria de patrocinar algum episódio futuro, mande seu e-mail para [email protected].

Este projeto só é possível graças ao apoio dado pelos ouvintes do Papo Lendário ao Padrim Lendário. Para conhecer o projeto e dar sua contribuição, acesse http://padrim.com.br/mitografias. Com sua contribuição, seremos capazes de oferecer mais episódios deste e de novos projetos.

Está no ar o primeiro e-book do Horrores Urbanos! Visite a página, baixe gratuitamente o livro e leia textos exclusivos para a versão impressa.

Referências:

  • tive q vim comentar. que puta trilha sonora manda os nomes das músicas desse episódio aí parecia até um filme

  • Alexandre Rodrigued Assumcao

    Os seres que simbolizam o bem e o mal. Arautos de poderes opostos da mitologia cristã. Anjos e demônios.
    Como você bem disse, Pablo, é preciso demonizar para criar medo e preconceito. Se as religiões pagãs, afro ou indígenas tinham que ser repudiadas, nada melhor que transformá-las em manifestações do mal. A polarização mata o debate, estimula a ignorância e o preconceito e semeia o medo, a discórdia. Os demônios apontados como o mal, fazem refletir sobre os anjos, servos de um poder ostensivo e implacável, que pune os que não querem adotar a crença. Usa da força e do medo para arregimentar seus seguidores. Nada mais patético, humano, sem nada de divino.
    Bem e mal, claro e escuro, negativo ou positivo, são forças que se complementam. A mitologia oriental explora melhor essa percepção que temos do que chamamos de realidade, trazendo uma harmonia entre um e outro. O Divino se manifesta nos dois e se engrandece na harmonia deles. O resto é apenas um princípio religioso, que se corrompeu entre homens que estavam mais interessados em domínio do que numa doutrina ética e espiritual.