Escritos Lendários: A Guerra de Tróia

Papo Lendário #81 — O Papa Lendário
30/04/2013
Papo Lendário #82 — Chove Chuva
14/05/2013

Ilíada: A Guerra de Tróia
Image Hosted by ImageShack.us

O história central deste livro é a Ilíada, mas a narrativa de Homero não é completa e suficiente para compreender totalmente a guerra, pois a Ilíada começa quando já decorreram 10 anos da luta e termina com o funeral de Heitor.

E o restante da Guerra? Como ela começou? Como terminou? Cadê o cavalo?

É aí que esta versão que Menelaos Stephanides nos apresenta se mostra uma das mais completas. Recorrendo a várias epopéias e narrativas, a maioria delas desconhecidas do grande público, o autor acaba nos apresentando um panorama completo da Guerra de Tróia: sua origem, desenrolar e consequências.

Antes da Guerra

Na primeira parte do livro nos é contado as origens de Tróia: duas histórias diferentes que narram como a cidade surgiu. Os troianos não são descritos como estranhos e bárbaros, mas como um povo com a mesma cultura e origem da dos aqueus e helenos que tentarão conquistá-la.

Stephanides nos apresenta as origens da guerra: O Pomo de Ouro oferecido por Éris, a deusa da discórdia, à mais bela deusa presente no casamento de Peleu e Tétis,  e como a questão foi resolvida por Páris, o segundo filho de Príamo, o rei de Tróia.

Também somos apresentados à bela Helena, que teve a mão disputada por quase todos os príncipes aqueus. E a solução encontrada por Odisseu para que a escolha do noivo fosse um motivo de união entre as diversas cidades-estado.

O rapto, ou fuga, de Helena com Páris é o motivo para desencadear a guerra. Mas antes que ela comece, Menelau precisa convencer os outros heróis e príncipes a participar da luta, e é nesta hora que nos apresenta os outros protagonistas, suas origens e motivos

O Sacrifício de Ifigênia e os Nove Anos de Guerra

Nestas duas partes são mostradas as tentativas de chegar a Tróia, a muitas intrigas e estratagemas utilizadas durante a formação do exército grego, o trágico sacrifício de Ifigênia, a chegada à ilha de Tênedos e primeiras batalhas que ocorreram na guerra.

Durante este processo dois tipos de guerreiros se destacam e podem ser personalizados nas figuras de Aquiles e Odisseu. Aquiles é o guerreiro jovem, impetuoso e ávido por glória e reconhecimento, que não pensa nas conseqüências de seus atos. Odisseu é o estrategista, que vai para a guerra para não desonrar sua família e cidade, e que usa o intelecto para tentar vencer a guerra de forma mais rápida, conseguir espólios e voltar para casa.

A Ilíada

Esta é a narrativa mais conhecida, a que começa após 10 anos de início da guerra e começa apresentando o desentendimento entre Aquiles e Agamêmnon e suas conseqüências para todo o exército.

Aquiles é o principal herói desta história e sua atitudes, impensadas ou inspiradas pelos deuses, acabam ditando o rumo da guerra.

Intrigas e estratégias seguem-se a narrativas sangrentas de batalhas, com a intervenção dos deuses em diversos momentos, tanto de um lado como de outro e pelos mais variados motivos e caprichos.

Os Últimos dias da Guerra e de Tróia

É nesta parte que Stephanides, para nos contar o final da guerra, recorreu à maioria dos relatos não Homéricos, nos trazendo fatos importantes como:

– As lutas de Aquiles e sua morte;
– Como Odisseu usa de artimanhas para descobrir o ponto fraco de Tróia;
– A construção e oferenda do cavalo de madeira;
– Como os troianos aceitam o presente grego, apesar das advertências de Cassandra e de Lacoonte;
– A queda da cidade, o tratamento dispensado aos prisioneiros e suas mulheres.

Há também um breve relato do destino dos heróis envolvidos nas guerras, a maioria deles com finais trágicos ou de duras lutas.

Ao reunir estas narrativas diversas e organizar os fatos em uma ordem cronológica, Stephanides proporcionou aos leitores que procuram conhecer a Guerra de Tróia, seus heróis e deuses,  um cenário compreensível  e capaz de despertar a curiosidade, incentivando a busca por mais conhecimentos sobre a mitologia grega. Posso afirmar que foi apenas após ler este livro que consegui entender o porquê dos troianos não terem queimado o cavalo de madeira, apesar das advertências para que o fizessem. Espero que outros leitores tenham descobertas semelhantes.

Por fim, preciso dizer que este é o último post abordando esta coleção Mitologia Helênica, do Menelaos Stephanides. Indico leitura de todos os livros desta coleção como uma boa introdução à mitologia grega. Os que abordei anteriormente, aqui nos Escritos Lendários, são os que acho essenciais para o entendimento dos mitos gregos. Uma pequena introdução para o que espero que seja um despertar do interesse por estes mitos tão presentes na nossa cultura e, ao mesmo tempo, tão desconhecidos.

Stephanides, Menelaos: Ilíada: A guerra de Tróia (tradução e notas: Luiz A. Machado Cabral) – São Paulo: Odysseus Editora, 2000.

  • rpgplace

    Os livros que mostravam mais detalhes sobre guerra de Troia antes e depois dos eventos da Iliada foram perdidos (no incendio da biblioteca de Alexandria se nao em engano).

    E falando nisso tem um game feito há algum tempo sobre Guerra de Troia, mas não sei se é 100% fiel a alguma versão (ou versões combinadas) do enredo:

    https://www.youtube.com/playlist?list=PLbmfuisvFbcRVVxfmCGd2BSzYPenRwJ-T