Papo Lendário #188 – Preconceito Religioso

Capa do Episódio 187 do Papo Lendário
Papo Lendário #187 – Psicopompos
19/03/2019
Capa do Papo Lendário 189
Papo Lendário #189 – A Umbanda além de sua origem
15/04/2019

Nesse episódio do Papo Lendário, Leonardo, Pablo de Assis, Nilda e Ju Ponzi conversam sobre preconceitos entre religiões.

Veja os preconceitos que diversas religiões sofrem.

Ouça também os preconceitos que as mesmas religiões perpetuam.

Conheça o mito de Procusto e sua relação com o preconceito.

————————————————————————————————————————————————————————–
Padrim do Mitografias

  • IGOR AZRAK

    Pela primeira vez estou trabalhando em um local que tem mais protestantes do que católicos, protestantes de diversas vertentes. Já trabalhei em lugares mais equilibrados, com católicos, protestantes, pagãos, umabandistas(sempre ocultos e perseguidos). E eu vejo o preconceito, acho que preconceito é até um termo errado, eu vejo intolerância mesmo. Desde o não aceitaram Jesus até demonizar o fato dos católicos “adorarem estátuas”( os santos e Maria) nas palavras dessas pessoas.
    Não sou religioso mas confesso que esse tipo de coisa assusta e envenena o ambiente.

    • Oi Igor, esta tua experiência é interessante para ilustrar o que mostramos no episódio que tal preconceito, ou intolerancia, vem do grupo que está com maioria

  • Alexandre Rodrigued Assumcao

    O preconceito e o desconhecimento (ignorância) andam de mãos dadas.
    Quem desconhece mas não quer passar por desinformado, cria fantasias e impressões na mente sobre um assunto e passa a opinar sobre elas como se fosse conhecedor profundo do dele. Então temos o preconceito, a ideia pronta sobre as coisas, a opinião formada sobre tudo, como diria Raul Seixas.
    O melhor remédio para isso é a humildade de conhecer antes de falar ou opinar sobre um assunto. A religião é a maior formadora de opiniões prontas, pois há uma certa dificuldade em encarar outras realidades, outros pensamentos e principalmente de se auto avaliar sobre o quanto seus dogmas ainda persistem em uma sociedade que muda constantemente e que os preceitos das ditas religiões não conseguem mais acompanhar.
    É preciso refletir e aprender, antes de julgar o próximo, ou a religião a que ele pertence.