Papo Cético #03 – ¿Ser ou não ser?

Papo Lendário #161 – Povos Bíblicos
16/05/2017
Papo Lendário #162 – Beren e Lúthien
30/05/2017
Capa Papo Cético #3 - ¿Ser ou não ser?

Papo Cético #3 - ¿Ser ou não ser?O que nos faz ser quem somos? Será que existe algo inerente em cada um que nos torna únicos ou semelhantes aos demais? Neste episódio do Papo Cético, Estrela, Bryan e Pablo conversam sobre os conceitos de Essencialismo e Ontologia, enquanto debatem os limites do Método Indutivo, começando com a discussão sobre o Navio de Teseu, passando pelos impactos dessas questões nas ciências naturais e humanas e inclusive com discussões sociais sobre preconceito, culminando com a tentativa de compreender quem somos nós. A final, café sem cafeína é ainda café? Cerveja sem álcool, perde sua essência? E será que existe algo que torna o humano essencialmente humano?

Duração: 47 minutos

Comentado no episódio:

————————————————————————————————————————————————————————–
Padrim do Mitografias

  • Oi pessoal! Adoro quando pessoas explicam ciência! <3 excelente programa!

    Como eu sou geóloga e me especializei em datação por urânio, senti a necessidade de dar uma informação que a gente não aprende na escola: Todos os isótopos de urânio são, na verdade, radioativos. A diferença fundamental entre eles é a meia vida.
    O de menor meia vida é (se não me engano) o de massa 220, com cerca de 60 nanossegundos (e tem, vários outros que costumam ser desconsiderados por terem a meia vida muito curta, em escala de nanossegundos a dias ou mesmo que tenham a meia vida mais longa, não existem em abundância significativa).
    O 235 é o que sempre aprendemos que é radioativo e o que é necessário para fazer usinas nucleares e bombas, ele tem a meia vida de 704 milhões de anos. Ele representa ~0.7% de todo o urânio da Terra.
    O 238 é o que aprendemos que é estável, ele na verdade também é radioativo, só não o suficiente para ser usado em um reator ou bomba, mas é muito usado na datação de rochas. Sua meia vida é de ~4.5 Bilhões de anos (bem próximo da idade da Terra). Ele também é o mais abundante, representando pouco menos de 99.3% de todo o urânio da Terra.