Sobre o Céu — Constelações: Órion e Escorpião

Sobre o Céu — Entre o Mito e a Ciência: Sol
13/06/2015
Papo Lendário #124 — O Bom, o Mal, e o Loki
30/06/2015

Constelações

Nessa nova fase de “Sobre o Céu”, abordaremos as Constelações, os agrupamentos estelares que sempre acompanharam a história humana, com suas lendas, orientações geográficas ou para ajudar a medir o tempo.

Quando os antigos olhavam para o céu, tentavam dar um significado para aquelas formações luminosas que apareciam noite após noite e que já eram mencionadas pelos seus antepassados.

Nesta nova série contaremos um pouco da mitologia que envolve algumas das 88 constelações que dividem o céu. Também descreveremos os aspectos astronômicos dessas estruturas aparentes que se distribuem pela esfera celeste.

Então começaremos com duas delas:

Orion

– Orion e Escorpião-

— O Mito —

Uma das versões da lenda conta que o gigante Orion, filho de Poseidon e Euríale ou de Gaia com Tártaro, tinha a habilidade de caminhar sobre as águas, e possuía uma força descomunal e beleza capaz de impressionar os deuses. A própria deusa Ártemis (Diana para os romanos) encantou-se com ele e por isso deixou de dar atenção ao seu irmão Apolo. Enciumado, o deus Apolo desafiou a irmã a disparar suas flechas em um ponto perdido no mar distante, o que aconteceu com precisão. O que ela não sabia é que havia acabado de alvejar a cabeça do gigantesco Orion que nadava inocentemente. Desesperada, Ártemis implorou a Zeus que o levasse para junto das estrelas.

Artemis e Orion Morto

Em outra lenda, Orion era um amante incorrigível em suas andanças pelo mundo, casando-se com Side que ousou desafiar a deusa Hera, afirmando ser a mais bela, mas em vingança Hera a condenou ao Tártaro. Sem a sua Side, Orion foi para a ilha de Quios do rei Oinopíon que lhe pediu para usar sua grande força com o intuito de eliminar perigosas feras de suas terras, mas em sua breve estadia, o gigante maravilhou-se com Merope, filha do rei que era contrário ao romance. Embriagado por Oinopíon, o poderoso Orion tentou violentar Merope e foi brutalmente ferido nos olhos, ficando cego. Mas Orion não se deixou vencer e, viajando para os territórios de Hefesto, pediu ajuda a um menino para que o virasse na direção do sol, e assim recuperou a visão imediatamente.

Orion VS Escorpião

Ao regressar a Quios para promover sua vingança, não encontrou o rei que havia sido ajudado por Hefesto a se refugiar nos subterrâneos da ilha. Depois disso, Orion partiu para Delos conduzido por Éos, a apaixonada Aurora. Em Delos Orion tentou estuprar a deusa Ártemis que em represália enviou um escorpião para picá-lo até a morte, e em agradecimento a deusa transformou o seu fiel artrópode em uma constelação, e o mesmo aconteceu com o inesquecível Orion.

Existem outras variações sobre Orion que foram contadas e recontadas e sobreviveram ao longo dos séculos.

Orion 2

— A Ciência —

Orion

Em uma noite clara de verão no hemisfério sul, podemos admirar a grandiosidade dessa constelação que se espalha pelo céu. Destacam-se sete estrelas, dentre elas as reconhecidas Três Marias que se alinham quase equidistantes, são Mintaka, Alnilan e Alnitaka. O trapézio quase retangular é formado por Betelgeuse, Bellatrix, Rigel e Saiph. Betelgeuse é uma gigante vermelha que chega, talvez, a ter 400 vezes o diâmetro do Sol e dista de nosso planeta cerca de 300 anos-luz. Rigel não passa de uma super gigante com 35 vezes o tamanho da Terra, no entanto é a mais brilhante de sua constelação. Bellatrix é a terceira mais brilhante e está a 250 anos-luz de distância. Por último é Saiph, do árabe a espada do gigante, que se afasta 650 anos-luz de nós.

Nebulosa M42

Ainda se usarmos um binóculo comum, podemos observar a nebulosa M42 ou também conhecida pelo nome de NGC 1976. Esta nebulosa comumente chamada de Nebulosa de Orion se localiza num ponto entre as Três Marias, Saiph e Rigel, a uma distância que pode chegar a 1.800 anos-luz do Sistema Solar. A M42 é um enorme berçário estelar composto de poeira e gases onde brilham inúmeras estrelas jovens.

Se pudéssemos olhar as constelações de perfil, de modo geral veríamos que suas distâncias diferem muito e não estão no mesmo plano como nos parece.

Escorpião

Escorpião

É uma das constelações mais belas do hemisfério sul, com sua forma retorcida, Escorpião lembra mesmo o animal peçonhento que tirou a vida de Orion. Esta constelação batizada assim pelos gregos também era conhecida como tal pelos egípcios e persas. Sua maior representante é Antares, estrela dupla com aproximadamente 400 vezes maior que a nossa estrela, ela é uma das maiores estrelas que se tem notícia e a mais vermelha de todas. Outro integrante dessa constelação é Acrab, que do árabe significa exatamente escorpião, e também é uma estrela dupla em que suas componentes, uma branca e outra azul, podem ser distinguidas utilizando-se um simples binóculo. Próximo a cauda, é possível ver com o auxílio de uma luneta o aglomerado M6 repleto de estrelas que se distribuem em radial como uma roda de bicicleta. Além deste, existem os aglomerados M4, M7 e M80 dentre muitas outras nebulosas.

Ao erguermos os olhos para o céu ainda podemos contemplar Orion em sua corrida pelo firmamento para fugir de seu perseguidor mortal. Quando a constelação de Escorpião surge no céu, Orion mergulha no horizonte em eterna fuga.

AUTOR: Ricardo Costac

  • Inácio Fantino

    Gostei. Apesar de nascido em novembro, não sabia da história do escorpião.

  • Diego Miyabi

    Interessante. Muito legal essa sessão, mas senti falta de vcs não terem falado da Lua xD
    Constelações e os signos ^^

  • William Ribeiro

    Orion não tinha jeito mesmo hein 😀