O Mito de Teseu — Parte Final: O Combate Contra o Minotauro

O Mito de Teseu — Parte I: Do Nascimento ao Exilio
28/01/2012
Leitura de Pergaminhos #15
14/02/2012

Aqui finalizamos a lenda de Teseu, caso queira ver a primeira parte clique aqui. Nessa segunda parte veremos quando Teseu vai até Creta, enfrenta o Minotauro e suas ultimas aventuras.


Teseu vai a Creta

Na mesma época em que estava “exilado”, apareceu um novo problema para Teseu, Androgeu, filho de Pasífae e Minos, rei de Creta, foi morto. A morte foi atribuída indiretamente a Egeu, a variantes sobre a morte do rapaz, uma delas diz que, invejoso das vitórias de Androgeu, Egeu o enviara para combater o Touro de Maratona, que acabou sucumbindo, outra variante diz que foram os próprios atletas que invejosos o mataram e uma terceira versão que já é política, diz que, ele teria morrido por ter ligações com os Palântidas.

Independente do motivo da morte, Minos entrou em guerra contra Atenas e teve apoio de Zeus (seu pai) que enviou uma peste ao povo ateniense. Minos concordou em se retirar desde que anualmente fosse enviados sete moças e sete moços para serem lançados no labirinto para servirem de pasto para o Minotauro.

Na terceira vez em que foi se buscar o “pasto” do Minotauro, Teseu se prontificou a ir com as outras treze vítimas, pois os atenienses já estavam se irritando com Egeu. Conta-se também que era o próprio Minos que escolhia as vítimas, e que uma vez lançados lá, caso conseguissem matar o Minotauro podiam regressar para a pátria livremente.

Em uma variação do mito, Minos querendo provar a superioridade de Teseu, lança o anel ao mar e o desafia a buscar, Teseu imediatamente mergulha e é recebido por Posídon em seu palácio que lhe devolve o anel.

À partida, Egeu entregou a Teseu dois jogos de velas, uma preta e outra branca, recomendando que, se voltasse vivo, içasse a branca, se voltasse preta, era sinal de que todos haviam morrido.

Chegando em Creta as vítimas desfilam pela cidade, Ariadne vendo Teseu, se apaixona por ele. Ariadne após receber a promessa de Teseu, que ele se casaria com ela se saisse do labirinto, resolve ajudá-lo dando a ele um novelo de lã (que conseguiu com Dédalo) para desenrolar a medida que penetrasse o labirinto. Outra versão aponta uma coroa luminosa (feita por Hefesto e mais tarde transformada em constelação) que Dioniso ofereceu a Ariadne como presente de núpcias.

Teseu, o Minotauro e a Fuga

Teseu encontra o Minotauro dormindo no labirinto e o enfrenta, em uma versão de mãos nuas e em outra com a clava de Perifetes. Para sair do labirinto usou do novelo de lã.

Após sair com os companheiros do labirinto, Teseu inutilizou as embarcações cretenses e fugiu com Ariadne. Seu navio fez escala em Naxos. Na manhã seguinte, quando Ariadne acordou, estava só, Teseu a abandonara. Há algumas versões do porque o heroi a abandonou, uma diz que Teseu estava apaixonada por outra, Egle, filha de Panopleu, e outra que Teseu foi obrigado por Dioniso que se apaixonara por ela e até mesmo a teria raptado a noite, e depois de desposá-la a levado para o Olimpo.

De Naxos o navio foi para a ilha de Delos, a fim de consagrar num templo uma estátua de Afrodite, presente dado por Ariadne.

Triste com a perda de Ariadne ou com peso na consciência por tê-la abandonado, se esqueceu de trocar as velas negras pelas brancas. Egeu, que esperava ansioso pela volta do barco, ao ver as velas negras, tirou a conclusão de que o filho havia morrido e se jogou nas ondas do mar, que recebeu seu nome.

Teseu como Rei

Após a morte de Egeu, Teseu assumiu o poder na Ática. No poder realizou o Sinecismo (reunir em uma só pólis os habitantes, incluindo os dos campos), mandou construir o Pritaneu e a Bulé (Senado). Adotou o uso da moeda, instituiu a Panatenéias, dividiu os cidadãos em três classes: eupátridas, artesãos e camponeses. Miticamente, instaurou a democracia. Consquistou Mégara e a anexou ao Estado. Reorganizou em Corinto os Jogos Ístmicos, em honra a Posídon. Na fronteira entre a Ática e o Peloponeso, mandou erigir marcos para separar o território jônico do dórico.

Sobre a expedição dos Sete Chefes e o episódio entre Teseu e as Amazonas J.S. Brandão comenta:

“Executadas essas tarefas políticas, o rei de Atenas retomou sua vida “heróica”. Como Etéocles houvesse expulso de Tebas a seu irmão Polinice, este, casando-se com Argia, filha de Adrasto, rei de Argos, conseguiu organizar sob o comando do sogro a célebre expedição dos Sete Chefes (Adrasto, Anfiarau, Capaneu, Hipómedon, Partenopeu, Tideu e Polinice). A expedição foi um desastre: somente escapou Adrasto, que se pôs sob a proteção de Teseu. Este, que já havia acolhido como exilado a Édipo, como nos mostra Sófocles no Édipo em Colono, marchou contra Tebas e, tomando à força os cadáveres de Seis Chefes, deu-lhes condigna sepultura em Elêusis.

A tradição insiste numa guerra entre os habitantes da Ática e as Amazonas, que lhes teriam invadido o país. As origens da luta diferem de um mitógrafo para outro. Segundo uns, tendo-se engajado, na expedição de Héracles contra as Amazonas, Teseu recebera, como prêmio de suas proezas, a amazona Antíope, com a qual tivera um filho, Hipólito. Segundo outros, Teseu viajara sozinho ao país dessas temíveis guerreiras e tendo convidado a bela Antíope para visitar o navio, tão logo a teve a bordo, navegou a toda a vela de volta à pátria. Para vingar o rapto de sua irmã, as Amazonas invadiram a Ática. A batalha decisiva foi travada nos sopés da Acrópole e, apesar da vantagem inicial, as guerreiras não resistiram e foram vencidas por Teseu, que acabou perdendo a esposa Antíope. Esta, por amor, lutava ao lado do marido contra as próprias irmãs.

Para comemorar a vitória de seu herói, os atenienses celebravam, na época clássica, as festas denominadas Boedrômias.

Existe ainda uma outra variante. A invasão de Atenas pelas Amazonas não se deveu ao rapto de Antíope, mas ao abandono desta por Teseu, que a repudiara, para se casar com a irmã de Ariadne, Fedra. A própria Antíope comandara a expedição e tentara, à base da força, penetrar na sala do festim, no dia mesmo do novo casamento do rei de Atenas. Como fora repelida e morta, as Amazonas se retiraram da Ática.” Mitologia Grega – Vol.3 Junito de Souza Brandão pgs. 166-167

Do amor entre Antíope e Teseu nasceu Hipólito, com Fedra teve dois filhos, Ácamas e Demofoonte.

Hipólito fez a escolha de apenas se dedicar a Ártemis, a deusa virgem, irritando profundamente Afrodite que se sentia desprezada. Afrodite querendo se vingar, faz com que Fedra se apaixone pelo enteado, o resultado da sua declaração ao rapaz é repulsão.

Temendo que ele a denunciasse a Teseu, simulou uma tentativa de violação por parte do enteado. Ensandecido de raiva, Teseu apelou para seu pai Posídon, pois não queria matar o próprio filho.

Enquanto Hipólito passeando com sua carruagem a beira-mar em Trezena, Posídon enviou um monstro que assustando os cavalos, fez príncipe cair e prender os pés nas rédeas ocasionado na sua morte. Com profundo remorso, Fedra se matou.

Em outra variação do mito, após ser repudiada, Fedra se enforca mas deixa para trás uma carta dizendo que Hipólito a tentara seduzir. A verdade foi contada a Teseu pela deusa Ártemis, que teve pelo menos a oportunidade de conseguir o perdão do filho que estava agonizando em seus braços.

As Aventuras de Teseu na Maturidade e seu Fim

Pirítoo, um héroi lápita, filho de Zeus e Dia, quis por a prova a fama do héroi, mas ao vê-lo ficou impressionado com o porte majestoso e desistiu da luta declarando ser seu escravo, Teseu, lhe concedeu amizade eterna.

Pirítoo iria se casar com Hipodamia, Teseu obviamente foi convidado, entre os parentes convidados da noiva estavam os Centauros. Estes, bebendo demais começaram a agarrar as moças da festa, a partir disso houve uma luta, e com a ajuda de Teseu, os lápidas venceram, porém Hipodamia pereceu.

“Livre” Pirítoo participou de aventuras com o heroi, entre elas a grande caçada do javali de Cálidon, que teve sua vida salva por Teseu.

Ambos por terem descendência divina resolvem apenas se casar com filhas de Zeus, as escolhidas foram Helena e Perséfone. Começaram raptando Helena, sendo perseguidos pelos irmãos da garota, Castor e Pólux, que conseguiram se desvencilhar de ambos em Tegéia. Em segurança os dois herois tiraram a sorte para ver quem ficaria com a princesa espartana, comprometendo-se o vencedor a ajudar o outro no rapto de Perséfone. Teseu venceu, mas como Helena ainda era criança, secretamente a levou para Afdina, demo da Ática, para colocar a garota sobre a proteção da sua mãe, Etra. Depois disso foram para o Hades para raptar Perséfone.


Durante a ausência de Teseu, Castor e Pólux, à frente de um grande exército, invadiram a Ática par resgatar a irmã e contou com a ajuda de Academo que lhes revelou o lugar onde Teseu a retinha cativa. Os irmãos invadiram Afdina, resgataram a irmã e levaram Etra como escrava.

No Hades, Teseu e Pirítoo foram convidados a participar de um banquete, ambos aceitaram e assim, de acordo com as leis estavam presos ao Inferno agora. Héracles, quando desceu para o Hades tentou libertá-los, mas os deuses só permitiram que Teseu fosse retirado, Pirítoo ficou para trás para sempre na cadeira do Esquecimento.

De volta a Atenas, o heroi a encontrou dilacerada por lutas internas e facções políticas. Triste e sem vigor para lutar, desiste de tentar reassumir o poder. Enviou os filhos secretamente para Eubéia onde reinava Elefenor. Retirou-se para a ilha de Ciros, Licomedes, o rei do local, com medo de que Teseu fosse reivindicar a posse da ilha, levou o ao cume de um penhasco, à beira-mar e pelas costas o jogou no abismo. E esta foi a vida do herói Teseu.

Fontes: BRANDÃO, J. S. – Mitologia Grega – Volume III. 5ª ed. Petrópolis, Vozes, 1993.
Texto “O mito de Teseu” de Paulo Costa de Souza

A Jornada do Heroi

Mundo Comum: Trezena

Chamado à Aventura e Recusa do Chamado: Teseu foi um heroi que agiu por vontade própria, por isso não houve recusa do chamado que foi o encontro com seu pai Egeu.

Encontro com o Mentor: Os mentores de Teseu foram Piteu e Cônidas, que o criaram até a juventude.

Travessia do primeiro limiar: Bandidos encontrados no caminho para Atenas.

Testes, Aliados, e Inimigos: Encontro com o pai, Médeia, os Palantidas

Aproximação da Caverna Oculta: Guerra entre Atenas e Creta

Provação Suprema: O Minotauro no labirinto

Recompensa: Liberdade para si e seu povo, Ariadne

Caminho de Volta: Voltando de Creta para Atenas e a morte do pai Egeu

Retorno com o Elixir: Atenas e todas as melhorias

Autor: Vitor Hugo Inácio Rodrigues

  • Mateus

    Legal isso ^^…Muito Legal. Parabéns Mitografias/Sr. Vitor

  • Gabriel

    Coitado do Minotauro! Prendem ele em um labirinto e depois ficam jogando pessoas para ele comer, ele era um touro não devia gostar de carne!
    Teseu e Pirítoo rapitando esposas me lembrou Genghis Khan que foi a uma guerra pela esposa sequestrada.
    E falando das Amazonas me deu vontade de assistir Xena, eu era fan da série.

  • Nilda

    Muito boa esta versão da história!
    Pelo jeito o Vitor teve um bom trabalho pesquisando e analisando o mito de Teseu.

    É sempre bom ver/ler/escutar uma história bem contada

  • Vitor Hugo

    Nossa… só agora que fui ver que publicaram o meu texto… achei que tinha ficado muito ruim, nem me deram feedback, tava reunindo ânimo já para mandar um e-mail querendo saber onde ficou ruim… hahahahahaha

    O texto fui eu quem escrevi, mas quem recheou com as imagens foi alguém ou o pessoal do Mitografias, ficou bem melhor, nem pensei nisso… crédito para eles por terem deixado o texto mais convidativo para leitura!!

    E obrigado pelos elogios.

    Abraços!!

    o

  • Nilda

    Fiquei aqui pensando sobre esta dupla paterniade de Teseu:
    Poseidon foi preterido a Atena, que se tornou a deusa que deu nome à cidade-estado, mas mesmo assim os moradores de lá dependiam do mar e das navegações para a maioria de suas atividades.

    O fato do maior heroi da cidade ser filho de Poseidon seria uma forma da cidade ainda sim ter um laço com o deus dos mares?

  • Rosana

    Nilda:

    Concordo!!!! acho que foi, realmente, a maneira de encontrar um laço com Poseidon.
    Em tempo: excelente post… excelente texto!!!!! Parabéns… Me ajudou muito nas pesquisas. estou trabalhando mitologia grega com meus aluninhos do quinto ano. ESTÃO AMANDO!!!! Vcs colaboraram para enriquecer o projeto:)