Papo Lendário #115 — Até o Fim da Queda

169 Flares Twitter 0 Facebook 169 Filament.io Made with Flare More Info'> 169 Flares ×

Papo Lendario 115

Neste episódio do Papo Lendário, Leonardo e Pablo de Assis entrevistam Ivan Mizanzuk (Anticast), o autor do livro Até o Fim da Queda.

Conheça a formação e influencias do autor.

Saiba mais sobre essa obra literária.

Conheça a Dragon Rouge e o Dragão Vermelho.

Musica Final: Suicide Solution — Ozzy Osbourne

LINKS:

Até o Fim da Queda

Anticast – Episódio: Sobre Magia e Demônios

E.A. Koetting — Canal de youtube de rituais demoníacos

————————————————————————————————————————————————————————–

  • Rodrigo Rocha

    Bah… demais este podcast.

    Sigo o Anticast a pouco tempo, por indicação de vocês. Pirei com os conteúdos abordados por lá.

    O Ivan é um cara que realmente instiga o conhecimento, assim como vocês.

    Quero aproveitar para agradecer a todos do Papo Lendário, por me provocarem a cada episódio. Desde novembro, quando descobri vocês, corri numa maratona para me atualizar.

    Estou numa jornada de auto descobrimento, e para mim, o Pablo virou referencia, nos meus estudos de Jung, I Ching e religiões.

    Sou Espiritualista, Umbandista e Apometra. Acho que o respeito de vocês é algo admirável. A cada podcast sinto que a forma de vocês nos provocam a não exatamente deixar de ter uma religião, mas sim ter uma relação mais madura com o nosso sistema de crenças. Para mim, quanto mais aprendo com os mitos e lendas que vocês nos contam, para abrir a nossa mente, mais tenho uma relação madura com o que acredito.

    Se pudesse sugerir algo, que seria talvez uma arrogância da minha minha parte, mas é certamente mais um desejo que uma sugestão, eis alguns temas que poderiam ser abordados ou para ficar na lista que o Leonardo sempre comenta:

    1. Lendas da Ilha de Pascoa (Livro de 1936 de P. Sebastian Englert)
    2. Lendas e Mitologias dos Orixáras (Sugiro o Livro do Reginaldo Prandi como referencia)
    3. Mitos e lendas brasileiras (aqui sou mais curiosos que algum conteúdo que eu possa contribuir)

    Sobre o episódio em si, #115, e o livo do Ivan, Até o fim da queda, quero muito ler. O respeito e modo de ver o mundo deste cara, é para mim equivalente ao de vocês. Observam, contam, são curiosos, mas não forçam crenças ou verdades. Não já juízo de valor. Tentam entender o motivo das crenças, e nos libertar de sistemas de crenças cegas.

    Muito obrigado por mais este conteúdo, e vida longa a vocês e a este lindo trabalho.

    Rodrigo Rocha
    34 anos
    São Paulo

  • Thiago Ballock

    Otimo programa. Senti falta de links para os videos comentados no post.

  • porks

    Muito bom esse podcast, vcs poderiam colocar os links das referências feitas no episódio às vezes não dá pra ver o que é citado enquanto ouvimos…

  • Amarildo – Spitfire

    Que mito é este?
    Que mito é este que faz com que se acredite que para se fazer sucesso com podcast deve-se utilizar de termos chulos/de baixo calão/palavrões? 9 em 10 podcasts já iniciam os programas com um sonoro palavrão que não acrescenta nada ao assunto e nem mesmo soa natural…e digo que não sou santo e nem religioso e profiro meus palavrões …mas não de forma institucionalizada e nem por achar que assim me faço melhor entendido ou cool.
    Mesmo num podcast em que uma obra é dita feita com CUIDADO ESMERADO NO APURO VERBAL e que foi realizada inspirada e comparável aos escritos de H.P. Lovecraft e Chambers ouve-se um f*da/ um CAR##LHO um p##ra a todo instante.
    Que mito é este que acha termos chulos cool?
    Ouvindo vários podcasts percebe-se claramente que os termos chulos são ditos como a acreditar que assim fazendo estarão inseridos na turma e portanto farão sucesso….pode até ser…mas será num trecho curto de alcance não só verbal como também intelectual.
    Eu fico “puto” com isto.

    • Maurício Silva

      Ora, colega. Que preconceito é esse de colocar palavrões em uma categoria separada da língua, como se eles não tivessem uma função enfática surpreendentemente maior do que outras palavras “não chulas”? Saiba que nada disso é artificial. As pessoas não são de terno e gravata (olha que bonita essa figura de linguagem!). Artificial seria ser polido para “ter alcance intelectual”. Aliás, pelo seu comentário, acredito que nunca deve ter ouvido o Anticast, o podcast com maior profundidade intelectual da podosfera brasileira (sim, eu conheço o fronteiras da ciência) e com os palavrões mais divertidos.

      Talvez se você deixasse um pouco mais de humor adentrar a sua vida. Só a zoeira salva!

      Um beijo!

      • Amarildo – Spitfire

        Maurício, saudações!
        Conversar em alto nível é sempre bom.
        Concordo que quanto mais humor melhor! (e concordo que preciso sorrir mais…mas tá difícil!).
        Preciso lembrar que lá no texto eu deixei bem claro que também solto meus palavrões. Só não concordo que eles façam parte da regra básica de conversação.
        Veja só: os podcasts são uma forma sensacional de comunicação! Eu gravo e só ando de carro ouvindo podcasts…não aguento mais ouvir a mesmice das rádios comuns.
        …mas já saí de carro com a família e tive que tirar do podcast…que estava tratando de um ótimo assunto mas…as obscenidades não deixaram continuar (normalmente as obscenidades são ditas por quem na verdade não tem nada acrescentar ao assunto).
        Caso os podcasts queiram sair do nicho e alcançar um público maior terão que melhorar isto: aí é uma questão de estratégia de cada equipe.
        Alguns podcasts poderiam até ajudar nos estudos da garotada que está na escola. Também poderiam ser colocados para serem ouvidos em casa. Nestes 2 casos os palavrões e termos obscenos não deixam.
        Um fato: quem tem filhos, por exemplo, não concorda com os palavrões e termos obscenos…assim como não pegam filmes com cenas fortes e colocam os filhos para assistirem…já quem não tem acha que quem não quer palavrões é piegas.
        Eu não acredito que você considera normal adentrar em qualquer espaço falando o tempo todo tudo quanto é tipo de obscenidade.
        Atenção: o terno e gravata não deixa ninguém mais santo ou mais demoníaco…acho até que confio mais nos sem gravata.
        Não acho que polidez transpareça intelectualidade não. E no meu caso específico o nível de intelectualidade é baixíssimo.
        Forte abraço! (nada de ósculo…kkkk!).

    • Menino Uerê

      Isso é f&ˆ*& mesmo! ;/

  • Alef Kegler

    Olá, porque eu não consigo fazer o download dos Podcasts? sou novo por aqui, conheci hoje, agradeceria se respondessem :) obrigado!

    • http://www.mitografias.com.br Mitocondria

      Ola Alef, como você está tentando fazer o download?

      Caso queria baixar direto do site, clique no botão escrito Download logo abaixo da descrição do post, abrirá uma nova tela com player do episodio, basta clicar com o botão direito e coloca para salvar.

      Me diga se conseguiu.

      • Alef Kegler

        Ah, não sabia que era assim kk vlw ae mano :) e parabéns pelo cast, e continuem com esse belo trabalho :) abração!

  • Asmoday

    Gostei muito desse podcast, estou devorando tudo do site, parabéns(Segui a trilha do Ivan até aqui). E.A. Koetting é um sujeito que faz grande parte das coisas com foco no dinheiro e teatralidade, ele tem de comprar o leite dos “fio”. Depois que o Ivan falou sobre árvore da morte, lhp, acabei convencido a comprar o livro, 93.

169 Flares Twitter 0 Facebook 169 Filament.io 169 Flares ×