Mitologia em Quadrinhos – Neonomicon

A Filha do Rei da Juventude
16/03/2017
Papo Lendário #157 – A Jornada da Heroína – #OPodcastÉDelas
21/03/2017

Lançada pela Panini, a edição brasileira Neonomicon reúne duas minisséries, The Courtyard (vol. 1 e 2) e Neonomicon (vol. 1 ao 4), que formam uma história só.

A primeira minissérie, The Courtyard, nos apresenta uma investigação com certo aspecto noir, de um agente que utiliza a Teoria da Anomalia para investigar estranhos casos de assassinatos. No arco seguinte, Neonomicon, dois outros investigadores continuam tentando desvendar esses estranhos assassinatos que apesar de semelhantes foram causados por várias pessoas com vidas totalmente diferentes.

As referências às obras de Lovecraft são inúmeras, praticamente não se passa duas páginas sem encontrarmos alguma menção a nomes de personagens e até títulos de obras do autor. Existe um certo saturamento nessas citações, mas com o desenrolar da história vemos que são mais do que meras referências.

Elementos grotescos, medo e loucura são pontos que Alan Moore traz ao roteiro seguindo o estilo das obras do autor de terror, mas é interessante ver um ponto extremamente explorado nessa revista, que quase nunca foi abordado por Lovecraft, que é o sexo e a violência sexual. Muitos podem considerar tal sexualidade um tanto exagerada, mas não deixa de ser uma nova visão desse tipo de terror.

neonomicon

Neonomicon está longe de ser considerado uma obra-prima, ainda mais pela expectativa que uma obra de Alan Moore somado ao universo Lovecraftiano pode criar. Dizem que o próprio autor já assumiu que o segundo arco foi feito apenas para pagar contas. Mas sua leitura é válida, sendo um acréscimo as obras que utilizam o universo caótico dos Mitos de Chtulhu. E uma boa indicação para quem não conhece, ou está conhecendo, as obras de Lovecraft.

A ilustração de Burrows combina perfeitamente com a narrativa de Moore, e pode ser mais apreciada no conjunto de capas oficiais e alternativas que se encontram no final da versão brasileira.

A tradução para o português foi feita por Guilherme da Silva Braga, tradutor de alguns contos de H.P. Lovecraft, o que garante a fidelidade aos nomes e termos.