Leitura de Pergaminhos #30

Mitografias Revive #004: NerdExpress — Contatos Imediatos
13/01/2015
Mitografias Revive #005: NerdExpress — Chupacabras
28/01/2015

Leitura de Pergaminhos 30

Nessa edição do Papo Lendário, especial de Leitura de Pergaminhos, Leonardo, Pablo de Assis junto do ouvinte Daniel fazem a leitura de e-mails do episódio 110 (Milagres) ao episódio 114 (A Jornada de Hórus).

LINKS:

WeCast

Referencias do episódio 84:

Asherah, a Deusa Proibida

Post do Bule Voador

Matéria da Super Interessante

Uma História de Deus

El, o Verdadeiro Deus dos Hebreus Politeistas

Outros Episódios do Papo Lendário:

Papo Lendário 84 — Nos Bastidores Deus

Papo Lendário 46 — As Camadas da Lenda Arthuriana

Papo Lendário 105 — Crer ou Não Crer

Papo Lendário 106 — Conhecendo o Conhecimento

Psicolog 06 — Verdade e Conhecimento

Musica Final: With Great Power — Immediate Music

————————————————————————————————————————————————————————–
Padrim do Mitografias

  • Goku (Z) é inspirado no Super man e este foi inspirado em Jesus Cristo rs Vou parar as comparações aqui rsrsrs

  • Pablo Neves

    Deixei de ouvir o Mundo Freak Confidencial porque, mesmo em tom jocoso, acho um desserviço ao ceticismo. Podem haver céticos que agem como religiosos fanáticos, mas sempre que alguém diz “essa sua religião, a ciência”, uma parte de mim morre aos poucos.

  • Amarildo – Spitfire

    Ainda sobre milagres: fico com suposta fala de Charles Degaulle…que teria dito ao visitar um santuário…de Loudes talvez?…disse ao lhe ser mostrado os vários lembretes de milagres ocorridos:…”mas onde estão as muletas daqueles que tinham apenas uma perna e lhes nasceu a faltante?”. …é isto: se alguém tem um braço e lhe nasce outro…não há como contestar. Todos os milçagres podem ser contestados e daí…..

  • Daniel Antonio Conte

    Pensei e trouxe o meu Deus.

    Meu deus aponta virtudes!
    Tais virtudes nem sempre são necessárias, mas tê-las me deixa mais próximo da divindade.
    Poucos conseguem todas as virtudes, algumas quase inalcançáveis. A cada nova virtude, uma luta para conquista-la. Quem é digno das virtudes usa como mérito por estar mais próximo de deus.
    As novas virtudes vem e vão. As vezes tais virtudes não são suficientes para alimentar a fé.
    Algumas virtudes existem antes de meu deus toca-las, ele as faz magníficas e desejáveis.
    Esse deus já partiu.
    O sucessor do meu deus ainda não demostrou virtudes que quero para mim. Porém a lembrança me leva a pelo menos tenta-las.
    As virtudes estão sob nosso cuidado, mudam como percebemos o mundo.
    O símbolo de meu deus é o pecado para Outro.
    Símbolo esse já marcado nos olhos dos infiéis.
    O legado de meu deus fica enquanto todos os fiéis lamentaram sua partida.

  • Amarildo – Spitfire

    …eu nunca consegui enxergar meus pontos favoráveis. Unicamente consigo ver meus pontos fracos, meus defeitos.
    Me parece absurdo alguém que diz ser humilde.Ora, o auto reconhecimento de humildade já diz que esta virtude ali não há. Tão pouco acredito que os pontos favoráveis/virtudes possam estar alocados/ancorados em outra parte. Se meus pontos fortes estiverem amarrados a outra entidade então eu não SOU.

  • Gabriele Tschá

    Adorei esta Leitura de Pergaminhos, acho que a participação de um ouvinte enriqueceu ainda mais o debate, pois trouxe ideias diferentes das já discutidas nos episódios.

    Ainda sobre as eras, achei muito interessante o complemento do Pablo ao meu comentário. Podemos nos aprofundar ainda mais nesta discussão, analisando as características de Aquário. Sim, é humano, o que pode nos levar a uma era muito mais racional e intelectual. Isto pode ser positivo no sentido de favorecer o conhecimento e a ciência, mas também pode levar a um enfraquecimento da empatia e da sensibilidade. Por outro lado, o “agueiro” é um servo, então acho que podemos esperar uma era de “serviço”, talvez mais humanitária e voltada ao altruísmo.

    Bom, acho que podemos “viajar” bastante neste tema. Fico no aguardo do episódio sobre eras. 🙂

  • Amarildo – Spitfire

    Eu li Brumas de Avalon ainda sem saber o que significava exatamente feminismo (eu tinha 16 anos)….mas achei muito forte a parte psicológica da obra. Comecei a ler quando lançaram o segundo volume…portanto fiquei aguardando o lançamento dos volumes seguintes..então,claro, faz muito tempo…..hoje já tenho 2 filhas e a mais nova tem 14 e está lendo o terceiro volume das Crônicas de Arthur (que pretendo ler também)…e falei para ela da obra da Marion.
    Este ponto de debate no episódio sobre a comparação das obras da Bradley e do Cornwell

    • Amarildo – Spitfire

      …complementando: este ponto do episódio sobre a comparação, me fez relembrar um momento importante da minha vida.